Raio-X: Leiloca Pantoja

leiloca-raio-x-club-88

Leiloca Pantoja evoca a mais pura irreverência da Disco Music e da House através dos tempos. Montada nas festas em que discoteca, a DJ pode ser descrita como uma simbiose entre divas purpurinadas e imponentes do cinema, da moda e da música. Alguns nomes que inspiram esse furacão por trás dos decks vão de Rita Lee, Debbie Harry e Carmen Miranda, passando por Diana Ross, Gal Costa e Donna Summer, até Elizabeth Taylor e As Frenéticas.

 

Ela bebe diretamente na fonte das discothèques dos anos 1970 e 1980 e clubes dos 1990. Em seus DJ sets, o furacão à moda Studio 54 e Paradise Garage (Nova York), Le Palace (Paris) e Hacienda (Manchester) são poderosos! O groove, o boogie e o rebolado também contemplam novas produções e subgêneros como Italo, Electro, Space, e Nu-Disco, além das cadências da Disco-Funk e da Acid House. Dona de residências em São Paulo no clube A Lôca e D-edge, Leiloca também costuma fazer aparições em outros redutos de ferveção da cidade, além de se apresentar em clubes pelo Brasil! Disco Forever!

 


Que ano começou a tocar e como se iniciou a sua carreira?
Comecei como DJ Paladino e, a partir de 2007, como Leiloca Pantoja, no Clube A Lôca!

Qual DJ sonhava dividir a cabine e dividiu? Qual ainda sonha?
DJ Renato Lopes foi sonho realizado e Derrick Carter e Dimitri From Paris são sonhos que quero realizar.

Você divide a sua carreira de DJ com alguma profissão?
Além de DJ, tenho uma micro empresa de aluguel de equipamentos de som para festas. Ou seja, tudo ligado à festas e música.

Um set para a vida toda – daqueles inesquecíveis ou que não saem dos headphones?
O primeiro que fiz quando comecei, SuperDiscothëque!, em 2007. Uma Noite na Mansão Playboy, do Dimitri from Paris, de 2000, e Derrick Carter, em 2005, no D-Edge (SP).

Qual fato mais surreal que já te ocorreu tocando?
Engraçado foi minha mão tremendo muito, por muito tempo de nervoso, nos pinos do mixer, na primeira vez que toquei na festa Freak-Chic, no D-Edge, em 2008, que no final Incrível. E uma noite muito especial foi quando toquei pela primeira vez em Porto Alegre (RS), na festa Neon, no Cabaret, e emendamos um back3back (rs) delicioso com Lucio Kahara, Cevallos (donos da festa) e Eu até às 10 da manhã com o clube cheio e a energia lá em cima!

O que estava ouvindo quando respondeu as nossas perguntas?
Los Charly’s Orchestra – Feeling High (feat. Amalia Economos)

O que tem escutado ou escutado com frequência?
I’ll Be There, do Chic, sets e coletâneas do Dimitri from Paris, e o último disco da Tulipa Ruiz, Dancê.


Confira a playlist que ela nos preparou: