Raio-X: Nana

nana-torres

Groove, estilo, a DJ do underground carioca, ganhadora do prêmio de DJ Revelação pela RMC em 2013, a idealizadora da Brotherhood é ela, Nana - nossa convidada deste Raio-X. 

 

 


Local de nascimento e onde vive atualmente?

Sou carioca, morei a vida inteira no Rio de Janeiro e faz 3 meses mudamos para Americana.

Sabemos que está em uma nova fase, em novo endereço, nova cidade) rola nos contar as novidades e o que vem por ai?
Acabamos de lançar a Gravadora Discotech Music, finalizamos a construção do nosso studio do jeitinho que a gente sonhava, estamos focando bastante na gravadora e nas produções.
Ano que vem estamos planejando uma tour internacional e, é claro, os eventos em parceira com o grupo do Club 88.

Que ano começou a tocar e como se iniciou a sua carreira?
Em fevereiro completo 8 anos de carreira. Tudo começou quando o Fosfobox, um dos melhores clubs do Rio de Janeiro, abriu a segunda pista e resolveram fazer um projeto na abertura com pessoas do público que eles consideravam ter bom gosto, a ideia era tocar sem técnica de mixagem.
Foi super legal a apresentação a pista respondeu super bem e vários djs comentaram que a seleção, ordem e os cortes de uma música para outra foram bem legais. Cerca de 15 dias depois me colocaram de novo para tocar e logo na sequência na pista principal. Foi ai que percebi que se era para continuar tocando teria que ser bem feito. Resolvi me dedicar a aprender, ficava horas e horas por dias seguidos treinando acertar as mixagens. Quando percebi estava tocando quase todo fim de semana. Costumo dizer que foi coisa do destino.

Você vive com o Glen que também é DJ, como é ser casado com uma pessoa que divide a mesma profissão que você?
Eu acho muito gostoso dividir a mesma profissão e paixão com o Glen, trabalhamos bastante em casa ouvindo música, horas sem fim no studio produzindo, viajamos nos fim de semana para tocar e voltamos morrendo de saudade com histórias para contar , entrentamos desfios parecidos e ainda tem as viagens que fazemos juntos para tocar e mostrar nosso som que é muito divertido. Temos momentos incríveis no dia a dia trabalhando sem perceber que estamos trabalhando. Nos conhecemos através da música, ela nos uniu ela é uma parte importante na nossa vida.

Qual DJ sonhava dividir a cabine e dividiu? Qual ainda sonha?
Me vieram duas mulheres na cabeça, a Magda com quem dividi cabine no Chemical Festival e gostaria muito de dividir com a Maya Jane Coles.

Você divide a sua carreira de DJ com alguma profissão?
(sabemos que essa é a realidade, nem todos sobrevivem apenas da música)
DJ, produtora musical, produtora de eventos e direção artística do label Discotech Music, tenho a sorte de todas funções serem ligadas a música.

Um set para a vida toda – daqueles inesquecíveis ou que não saem dos headphones?
Essential Mix do Nicholas Jaar, sou viciada!

Qual fato mais surreal que já te ocorreu tocando?
A que me veio na cabeça agora foi uma edição de aniversário da noon .Eu estava fazendo um long set, a pista estava cheia, após uma hora e pouco de set coloquei uma música longa e fui correr para ir ao banheiro, só que aconteceu um acidente, pisei no cabo e quebrou o pino que conecta no mixer. Fiquei sem fone e eu era a última dj da noite, comecei a mixar sem fone e com as músicas com canal aberto, a pista começou a me olhar pensando o que essa dj está fazendo, ai perceberam que eu estava sem fone ,e a reação foi ótima, todos ficavam torcendo e esperando eu acertar as mixagens, quando acertava todos vibravam, foi emocionante !!

O que estava ouvindo quando respondeu as nossas perguntas?
Um playlist de Miami Bass.

E para terminar de forma fofa: nós adoramos animais, você tem um de estimação??
Tenho sim , o Dinossauro o golden retriver que é nossa paixão!

dinoossauro

 

s2 s2 s2


Nana nos preparou uma playlist no Spotify. Vem ouvir e se preparar para a noite de hoje!